Motivos do -b- do topónimo Ribeira

No passado dia 3 de março, o presidente da Real Academia Galega, Víctor F. Freixanes, o diretor do Seminário de Onomástica, Antón Santamarina, e o Secretário-Geral para a Política Linguística, Valentín García, participaram num evento público na Câmara Municipal de Ribeira, convocados pelo presidente da câmara, Manuel Ruiz. Neste evento, foram apresentadas aos membros do conselho municipal e e à vizinhança as conclusões do relatório elaborado pela RAG defendendo a legitimidade da grafia com -b- do topónimo Ribeira, face à forma deturpada com -v- até agora utilizada no concelho. A forma oficial foi tomada por unanimidade pondo fim a muitos anos de polémica.

De acordo com o relatório, Ribeira é um dos topónimos mais comuns na Galiza, existindo mais de 80 entidades populacionais que são chamadas ou contêm esta palavra no seu nome, para além de outros 800 microtopónimos recolhidos no Galicia Nomeada.

O termo é também uma voz de uso comum: o substantivo ribeira, é definido no dicionário como 'faixa de terra que fica próxima a um rio, lago ou mar' e 'área de terra que fica próxima e está orientada para o mar ou para o rio». A sua origem está no termo latino RIPARIAM, com um significado muito semelhante ao atual. Nele atesta-se a evolução fonética característica do galego do latim surdo-oclusão intervocálica, -P- ao sonoro -B-, presente em outros termos do galego comum como POPULU(M)> pobo, CAPUT> cabo ou CAPITIA> cabeza. As Normas ortográficas e morfológicas estabelecem que, apesar da falta de diferenciação fonológica entre a escrita -b- e -v-, no galego moderno há uma tendência para distinguir os gráficos de acordo com a etimologia e, portanto, a forma do galego comum, ribeira, também deve ser grafada com B-.

No caso específico do topónimo, existem vários testemunhos, antigos e modernos, com a forma -b-. Na antiga documentação galega, a freguesia é registada pela primeira vez, atestada num testamento de 1378 recolhido por López Ferreiro na obra Colección Diplomática da Galicia Histórica. Aí aparece como Santa Ougea de Ribeira (pp. 421), de acordo com a transcrição do autor. Menos de um século depois, no Liber Tenencie do Horro (ano 1432), o de Sancta Ougea de Rribeyra também se recolhe entre as freguesias do arciprestado de Postomarcos a de Sancta Ougea de Rribeyra. Em textos posteriores da Galiza, já escritos em castelhano, o nome da freguesia aparece mais ou menos castelhanizado e, por vezes, com artigo (da Ribeira), mas sempre escrito com até ao século XVII em que, nas Memórias do cardeal Gerónimo del Hoyo, é documentado pela primeira vez com . A partir do século XVII, pode-se dizer que o nome já se escreve regularmente com esta grafia, facto no qual a influência do espanhol é inegável, pois, segundo os dados de que dispomos, esta é a única língua em que são escritos os textos onde aparece o topónimo até o século XX.

Recorde-se que a partir do século XV (após o nome Ribeira ter sido primeiro atestado para designar a freguesia) a palavra rivera foi documentada em espanhol, com um significado diferente de ribera, por se referir a um ribeiro. Isso, somado à confusão de grafias b/v que na Idade Média representavam diferentes realizações fonéticas e que posteriormente se reuniam em um único som, facilitou o seu uso indiscriminado, o que explica claramente o aumento das formas gráficas Riveira.

No entanto, oficialmente o nome do município aparecia sob as formas de Santa Eugenia de Ribeira na Nomenclatura de 1842; Riveira em 1860 e 1877; e Ribeira (sem a invocação) nas de 1857, 1887, 1897, 1900, 1910, 1920, 1930, 1940, 1950, 1960, 1970, 1981, 1991, 2001, 2011 e assim, até hoje.

Tamén che pode interesar...

Anllóns é o nome de uma das correntes fluviais mais conhecidas da Galiza e o principal rio da região de Bergantiños.…

Um século antes de os Estados Unidos experimentarem a corrida do ouro, do outro lado do mundo, em Betanzos, começou outra febre, a do…