Hagiotopónimos, invocações e nomes de paróquias

A freguesia galega é a divisão administrativa imediatamente inferior ao município. Apesar de ter origem eclesiástica como unidade de delimitação geográfica, desde a Idade Média até os dias atuais também atuou como entidade básica das relações sociais dos seus habitantes.

Do ponto de vista linguístico, as freguesias constituem um tesouro toponímico de primeira ordem porque nelas podemos encontrar um compêndio das características definidoras da toponímia galega, bem como exemplos de toda a tipologia com que a toponímia é tradicionalmente classificada.

As paróquias galegas costumam constar na sua denominação de dois elementos: a denominação propriamente dita e a menção à sua invocação religiosa. É aqui que precisamos de especificar dois conceitos: invocação e hagiotopónimo. Enquanto a invocação é o santo, virgem etc. a que uma paróquia católica é confiada, um hagiotoponimo é um nome de lugar cuja origem remete para um ou uma santa. Assim, a freguesia de Santalla de Arxemil do concelho de Sarria, em Lugo, contém um hagiotopónimo no nome. Neste caso, hagiotopónimo e invocação são coincidentes, mas o mesmo não acontece, por exemplo, em Santalla de Samos, cuja invocação é São João.

Para além da diferença semântica entre hagiotopónimo e invocação, devemos acrescentar que este último não faz parte do nome das freguesias - por esta razão, no Nomenclátor da Galiza está entre parênteses a seguir ao nome da freguesia - embora tradicionalmente nos textos escritos, mesmo administrativos, geralmente aparecem. Assim, falamos das freguesias de Vizoño, Viós, Vilacova ou Sarandós, todas no concelho corunhês de Abegondo, e não das freguesias de * San Pedro de Vizoño, * San Salvador de Viós, * San Tomé de Vilacova ou * Santa María de Sarandós.

Apesar do exposto, sucede que, em cerca de 400 freguesias galegas das 3.791 que contabilizamos no Nomenclátor da Galiza, a denominação paroquial contém um hagiotopónimo ou nome de santo, quer como denominação exclusiva (Santiso, Santalla, Seoane ...), ou como primeiro elemento de um composto (San Cristovo das Viñas, San Breixo de Parga ou San Cosme de Barreiros), e, em menor medida, como um segundo elemento (Pazos de San Clodio ou Pobra de San Xiao).

Em recente artigo na imprensa, Gonzalo Navaza, membro do Seminário de Onomástica da Real Academia Galega, salienta que “há paróquias em que o nome do santo é apenas uma invocação, uma forma de preservar uma tradição do nome da igreja, sem ir mais longe”. Esta ideia incide naquilo que este especialista já afirmara no estudo "Parroquias e toponimia" onde acrescenta: "A diferença entre o hagiotopónimo e a simples invocação, que tinha e tem plena funcionalidade no uso oral dos nomes paroquiais, foi, frequentemente, ignorada até há poucos anos nas fontes escritas, repertórios, nomenclaturas e até mesmo na sinalização rodoviária ou cartográfica, que, ou bem incorporavam sistematicamente a invocação como se tratando de um hagiotopónimo, escrevendo, por exemplo, San Xoán de Fecha e Santa Cristina de Fecha, ou bem consideravam o hagiotopónimo como dizendo apenas respeito a uma invocação", o que terá levado a uma confusão sobre qual o seu nome real.

Para evitar confusões, a próxima edição do Nomenclátor da Galiza incluirá a invocação num campo diferente ao da denominação da freguesia.

 

 

Tamén che pode interesar...

Anllóns é o nome de uma das correntes fluviais mais conhecidas da Galiza e o principal rio da região de Bergantiños.…