A Comissão de Toponímia da Junta da Galiza reitera o seu parecer sobre o topónimo Ria de Ribadeo

O vice-presidente primeiro da Junta da Galiza, Alfonso Rueda, presidiu ontem, com o secretário-geral da Política Linguística, Valentín García, a reunião da Comissão de Toponímia da Galiza, em que foi acordado manter o nome oficial do topónimo galego Ría de Ribadeo, após o Principado das Astúrias ter enviado um pedido ao governo central para oficializar o nome Ría do Eo.

A Comissão de Toponímia é o órgão de estudo, conselho e consulta da Junta para a determinação das formas oficiais da toponímia galega e para levar a cabo as consultas que sejam necessárias para tal fim. É composta por representantes de diferentes departamentos do Governo galego e de diferentes instituições. O Diário Oficial da Galiza (DOG) acaba de publicar esta semana a renovação dos vogais representantes deste órgão com membros do Consello da Cultura Galega, da Real Academia Galega, do Instituto da Lingua Galega, do Instituto Padre Sarmiento e da Faculdade de Geografia e História, bem como os vogais de livre nomeação e a secretária da Comissão.

A Junta irá enviar ao governo central a avaliação e relatório solicitados pelo Consejo Superior Geográfico, dependente do Instituto Geográfico Nacional (Ministério das Obras Públicas), órgão responsável por decidir sobre topónimos que afetam mais de uma comunidade autónoma, e que em 2008 tinha resolvido que o nome oficial deste ria era Ria de Ribadeo.

Este novo relatório da Comissão de Toponímia da Galiza assenta nos mesmos argumentos que o de 2006, mas agora está mais completo, se possível, porque conta com os contributos documentais e filológicos refletidos nos estudos feitos pelo Seminário de Onomástica da Real Academia Galega (RAG), o Consello da Cultura Galega (CCG) e o Grupo de Investigação “Análise territorial” da Universidade de Santiago de Compostela (USC).

Os critérios que reafirmam o topónimo Ría de Ribadeo são os seguintes:

1. O nome Ría de Ribadeo é o mais antigo para a ria, para além de ser o geral na cartografia de todos os tempos (séculos XVI a XX) e o exclusivo até ao século passado (XX).

2. As rias não são fozes dos rios, mas entradas do terra dentro, por isso não recebem o nome dos rios que fornecem a água, mas o daquela vila que mais cedo ou mais tarde se consolidou como porto marítimo. É por isso que dizemos ria de Vigo (e não do rio Verdugo), Arousa (e não do rio Ulla), Noia-Muros (e não do rio Tambre) … Se as rias tivessem o nome dos rios que neles desaguam, na ria de Ribadeo desaguam quatro: o Eo, o Suarón, o Monxardín e o Grande. Além disso, o rio Eo também não envolve asturianidade, porque é um rio galego, embora no seu baixo curso recolha água de afluentes asturianos.

3. Vale também a pena mencionar que em 25 de junho de 2002, o Rei Juan Carlos I concedeu a Leopoldo Calvo-Sotelo o título de Marquês da Ría de Ribadeo com grandeza de Espanha.

4. Só nos últimos tempos, o nome Ría del Eo / Ría do Eo adquire alguma relevância, aparecendo inclusive em alguns documentos oficiais.

5. Por fim, é necessário destacar dois preceitos da Comissão de Peritos em Nomes Geográficos da ONU (UNGEGN), que inclui, em nome da Espanha, membros do Instituto Geográfico Nacional:

a) A normalização internacional de nomes geográficos refere-se à atividade que visa alcançar uma única forma escrita para cada nome geográfico da Terra.

b) A Primeira Conferência das Nações Unidas sobre Normalização de Nomes Geográficos, na Resolução I / 4, de 1967, recomendou “que se evite a mudança desnecessária de nomes”.

 

Galería de imaxes
  • Reunión telemática da Comisión de Toponimia do 5 de maio de 2021
  • Reunión da Comisión de Toponimia do 5 de maio de 2021
Tipos