Os motivos da mudança de grafia no topónimo Verdillo

Os motivos da mudança de grafia no topónimo Verdillo

Há alguns meses, o autarca de Carballo, Evencio Ferrero, solicitou um relatório do Seminário de Onomástica da Real Academia Galega para esclarecer as razões pelas quais o topónimo Berdillo, com B, fora oficializado. Segundo expunha o autarca no seu escrito, “uma parte muito importante dos moradores quer que se chame Verdillo, com V”, pelo que agradecia que o Seminário esclarecesse quais foram os motivos da escolha da grafia B no topónimo oficializado em 2003 para a publicação do Nomenclátor da Galiza.

Um dos critérios seguidos pela Comissão de Toponímia para a fixação dos topónimos no Nomenclátor da Galiza foi a congruência com as grafias históricas e etimológicas do galego comum. No entanto, se a etimologia era obscura, duvidosa ou controversa, como era o caso de Berdillo, em geral optava-se pela grafia usual na tradição escrita ou a mais enraizada no uso corrente. Levando isso em conta, a Comissão de Toponímia optou em 2003 por manter a inicial B- do topónimo Berdillo, porque assim era escrita na nomenclatura anterior dos séculos XIX e XX. Além disso, argumentaram na altura que “esta grafia não condiciona qualquer hipótese etimológica, como sim faria o inicial V- que parece querer relacionar o topónimo com a voz comum verde, sem qualquer prova de uma possível relação entre as duas palavras”.

Mesmo assim, a pedido do autarca de Carballo, os membros do Seminário de Onomástica da RAG decidiram fazer uma investigação mais profunda sobre a grafia histórica, apesar de estarem cientes da opacidade da etimologia que se esconde por trás da forma atual. A sua pesquisa acabou por fazer parte de um relatório que analisa textos notariais medievais, livros pertencentes ao arquivo paroquial, cartografia histórica e outros documentos, como a referida nomenclatura oficial dos últimos séculos.

Entre todos eles, foi particularmente relevante a documentação contida no livro San Paio de Antealtares, Soandres y Toques: tres monasterios medievales gallegos, de Manuel Lucas Álvarez, publicado em 2001. Neste livro, a documentação que interessa a esta freguesia é a correspondente ao mosteiro de Soandres, do qual dependia a freguesia de San Lourenzo de Verdillo. Após revisão dos atestados escritos nestes textos, constatou-se que os escribas do mosteiro de Soandres optaram pelo uso do V de forma clara: das oito ocorrências encontradas do topónimo, em seis ocasiões é grafado com V-. Esse facto levou a supor que os redatores dos textos tiveram a oportunidade de ver o topónimo em latim em documentos anteriores e que ali deveria aparecer com U-/V-.

Nos séculos seguintes houve hesitações entre B e V - especialmente nos séculos XVI e XVII - dependendo muito dos padres ou escribas que redigiam. Apesar disso, a escolha pelo V passou a ser majoritária no séc. XVIII, tanto em livros paroquiais como em cartografia e documentos civis, mais ou menos oficiais. No século XIX virou um pouco - no mundo eclesiástico e na nomenclatura oficial da segunda metade - a favor do B. Do último terço do século XIX, ao longo do século XX e o que levamos do XXI , a única forma registada nos livros paroquiais foi Verdillo (136 anos consecutivos), apesar de na nomenclatura oficial dos dois séculos estar escrita com B.

A maioria dos habitantes da freguesia a nomenclatura oficial tem ignorado há anos a nomenclatura oficial e continua a escrever Verdillo, porque assim aparece em nome de associações desportivas e culturais ou na sinalização rodoviária. É possível que as pessoas - talvez de séculos atrás - associassem Verdillo à cor verde ou que encontrassem alguma semelhança com o lugar de Verdes, que fica a menos de 10 km de distância. Talvez acabassem associando os dois topónimos para atribuir-lhes a mesma origem e, portanto, a mesma escrita.

Por estas e outras razões, o Seminário de Onomástica da Real Academia Galega optou por propor a forma Verdillo, com a grafia V, para a próxima edição do Nomenclátor de Galicia, obra que contém os nomes oficiais dos municípios.

Tipos