Apresentada a Galicia Nomeada, a plataforma colaborativa de recolha toponímica

A Real Academia Galega e a Xunta de Galicia apresentaram a plataforma Galicia Nomeada que visa facilitar a cooperação cidadã intergeracional para a recolha de microtoponímia. O espaço virtual permite aos utilizadores georreferenciar os nomes do território na sua área envolvente e acompanhá-los com fotografias, textos e gravações com a sua pronúncia, lendas ou descrições associadas.

No evento, em que também foi apresentado este novo portal dedicado à toponímia, participaram Víctor F. Freixanes, presidente da Real Academia Galega, juntamente com o vice-presidente e conselheiro da Presidência, Administrações Públicas e Justiça, Alfonso Rueda; a diretora-geral da AMTEGA, Mar Pereira; o Secretário-Geral para a Política Linguística, Valentín García; o diretor do Instituto de Estudos do Territorio, Guillermo Ramón Evia; e Vicente Feijoo, coordenador da equipa técnica de toponímia da RAG.

Galicia Nomeada conta com uma versão de escritório e está ainda disponível numa aplicação para telemóveis Android e iOS. Os topónimos introduzidos pelos utilizadores serão supervisionados por uma equipa de especialistas do Seminário de Onomástica da Real Academia Galega, responsável pelo conteúdo da plataforma desenvolvida no âmbito de um acordo com a Xunta de Galicia, no qual a Agência para a Modernização Tecnológica da Galiza (AMTEGA) assumiu a parte tecnológica. A plataforma chega acompanhada da atualização do portal Toponimia de Galicia, no qual a Academia e a Xunta de Galicia também colaboram. Este website, a partir do qual também é possível aceder ao Galicia Nomeada, é enriquecido com novos conteúdos informativos preparados pelos especialistas da RAG com o objetivo de se tornar o espaço de referência para todos os amantes da toponímia.

Ambas as ferramentas culturais foram criadas com o financiamento do Programa europeu de cooperação Interreg VA Espanha-Portugal (POCTEP 2014-2020), no quadro do projeto chamado 0358 GEOARPAD "Património Cultural da Eurorregião Galiza-Norte de Portugal".

Uma parte fundamental de um tesouro comum

«O Seminário de Onomástica da RAG trabalha há muitos anos na recuperação do património histórico relacionado com os nomes de lugares e entidades de população, acidentes geográficos, etc. Termos consciência do seu valor é uma forma de estarmos conscientes do nosso significado histórico» garante o presidente da RAG, Victor F. Freixanes. «O valor dos novos recursos digitais é duplo», acrescenta o responsável da Academia: “Por um lado, permitem avançar na recuperação do património da nossa língua referido aos nomes do nosso território, extraordinariamente povoado há séculos em relação a outros territórios da Europa, e por outro pretendem envolver a população na defesa, conhecimento, fixação e na disseminação desse tesouro ”, detalha.

O Galicia Nomeada vai também facilitar "um diálogo ativo entre gerações", no qual os idosos serão informantes dos bens que custodiam, continua Víctor F. Freixanes, que incentiva a participação cidadã individual e coletiva, através de associações culturais, moradores, escolas e outras entidades. Todos eles são agentes ativos essenciais para tornar esta experiência uma realidade, da qual nos podemos sentir orgulhosos devido ao seu carácter pioneiro», conclui.

A própria Lei do Património Cultural Galego, aprovada em 2016, compromete a Xunta de Galicia e outras instituições galegas a preservar a toponímia tradicional, que é reconhecida tanto pelo seu «valor identitário» como pela sua função de «instrumento para a concretização da designação geográfica dos povos e dos seus bens.»

Verificação das contribuições dos cidadãos

Vicente Feijoo, coordenador da equipa técnica de toponímia da RAG, explicou os detalhes da ferramenta de colaboração. Após o trabalho de verificação da existência dos nomes dos lugares e da localização com que os utilizadores da Galicia Nombrada contribuam, aqueles tornar-se-ão parte do banco de nomes de lugares normalizados de toda a Galiza e estarão disponíveis através do visualizador de topónimos do renovado portal Toponimia de Galicia. «Os dados servirão de referência para o trabalho da administração pública que envolve ações no território, para o mundo da investigação, para o setor empresarial e para a sociedade em geral», diz Vicente Feijoo.

Quem desejar colaborar no projeto tem à sua disposição um formulário de contacto onde, para além dos dados pessoais, terá de indicar as razões que o levam a participar no projeto e os locais, aldeias ou concelhos onde vai trabalhar.

Mais de 6.600 novos microtopónimos partilhados por colaboradores na fase de teste

O Galicia Nomeada abre a todo o público após uma fase de testes desenvolvida nos últimos meses. As pessoas que nele colaboraram introduziram um total de 6.661 microtopónimos que já foram revistos e validados pela Academia Real Galega. Juntam-se aos topónimos das entidades da população do Nomenclátor e aos mais de 430.000 registados pelo projecto Toponímia da Galiza (2000-2011) - que se centrou na recolha de microtoponímia -, de modo que o número de topónimos recompilados ultrapassa os 478.000. É agora possível visualizar sobre a ortofotografia da Galiza, 287.695 topónimos e transferir a informação disponível sobre eles (coordenadas, tipologia geográfica ou fonética) tanto na aplicação Galicia Nomeada quanto no visor de topónimos do Portal Toponimia de Galicia. Os microtopónimos do projeto Toponímia de Galicia pendentes de georreferenciação serão incorporados na base de dados, uma vez que o Instituto de Estudos Territoriais tenha completado este trabalho.

Mais de 2.150 dos microtopónimos adicionados na fase experimental foram fornecidos por Alberte Reboreda e pertencem às freguesias de Rebordelo e Covelo de Cercedo-Cotobade; Xoán Carlos García Porral geolocalizou 771 em Lalín e Silleda; Ana Clotilde Bravo recolheu 635 das freguesias de Isorna e Leiro em Rianxo; Rocío Romar contribuiu com meio milhar de Baio (Zas); Sandra Beis Silva registou 374 de Novefonte e Fao (Toro); María Cernadas, 296 de Rianxo e Tarragona e Susana Silva, 225 de Araño e Asados (Rianxo). É também necessário destacar as contribuições de María Cuando (Moncelos, Abadín), Xoán Goris (Saiáns, Moraña), María Pol (Lodeiro, Lalín), Manuel Souto (O Pindo, Carnota), Nicanor Palomares (Cualedro), Iria Trasbach (Boiro), Carlos Lixó (Ilha de Sálvora, Ribeira), a associação cultural Ardóbriga de Pontedeume, e Iván Méndez (A Coruña) e Óscar Castro (Rois), parte da equipa técnica da RAG

Fotos aéreas do território desde os anos 50

O Galicia Nomeada não só visualiza todos os microtopónimos registados até ao momento na fotografia atual da superfície terrestre do território galego. É também possível selecionar ortofotos de 2002 a 2017 e a de 1956 em preto e branco, o chamado voo americano, para observar a evolução da paisagem nas últimas décadas e até visualizar as terras que foram alagadas na sequência das barragens construídas nas décadas de 60 e 70. A aplicação incorpora também a camada de planimetria do cadastro atual, bem como mapas cartográficos do Instituto Geográfico Nacional a diferentes escalas.

Um espaço agradável para aprender mais sobre os nomes da terra

A estrutura definida para a recolha de microtoponímia é completada com a nova versão da página Toponímia de Galicia, que é enriquecida com várias secções desenvolvidas pela Real Academia Galega. Entre elas encontram-se “O Seminario de Onomástica responde”, que tentará responder às questões da sociedade galega sobre os critérios aplicados na oficialização dos topónimos maiores ou sobre a sua origem e significado; a "Detrás do nome", que acolherá artigos e vídeos sobre o significado de todo o tipo de topónimos com rigor científico e simplicidade, debruçando-se ainda sobre os mais curiosos que se incorporarem ao Galicia Nomeada; e a " Sabías que...? ", que oferecerá pílulas informativas dedicadas à relação da toponímia com a fraseologia e os cancioneiros, as etimologias populares e outras histórias de interesse que escondem os nossos topónimos.

O trabalho de divulgação sobre toponímia da Real Academia Galega abrange também outras iniciativas como a coleção Terra Nomeada, em que já foram publicados os volumes dedicados aos topónimos de Ames, Agolada, Trabada, A Estrada e Begonte e Rábade; e a campanha de palestras Toponimízate, desenvolvida em colaboração com a Secretaria-Geral para a Política Linguística e centrada na divulgação da toponímia local e no funcionamento da aplicação Galicia Nomeada. A terceira edição, que terminará a 27 de dezembro em Vilalba, atingiu 16 municípios da Galiza e Bierzo e incluiu uma experiência piloto no lar de idosos das Neves que aposta na colaboração intergeracional que se pretende incentivar com esta ferramenta.

Galería de imaxes
  • Galicia Nomeada
  • Presentacion
  • Presentacion
  • Presentacion
Tipos